Colaboradores tagged posts

0

Wittgenstein: entre o cinema mudo e Derek Jarman – por Julio Cabrera

Wittgenstein de Derek Jarman

O cinema sonoro inventou o silêncio

Robert Bresson

  1. Wittgenstein gostava de cinema. Mas, de qual?

Há alguns meses escrevi um texto chamado “Sartre e o cinema: crônica de um fracasso anunciado”. Esta é a segunda nota sobre o desencontro do cinema com algum filósofo contemporâneo importante.

O tema central da filosofia de Wittgenstein foi a questão dos limites da linguagem. Ele pensava que uma linguagem tinha que ter limites. Uma linguagem sem limites – na qual tudo pudesse ser dito – não era propriamente uma linguagem. Assim, uma linguagem não é impedida pelos seus limites, mas, pelo contrário, possibilitada por eles; ela vive de seus limites, estes a constituem como linguagem.

Por outro lado, Wittgenstein gostava muito de ir no cinema no final das suas aulas, em geral co...

Leia Mais
0

SÉTIMA ARTE – Publicada em 08 de março de 1967

7ARTE

COMENTANDO: – Qualquer que sejam os aspectos pelos quais as manifestações do homem se apresentem na sociedade, elas trazem, de uma forma ou de outra, a indelével marca de sua personalidade, de seus sentimentos. O Cinema, como linguagem não foge à regra.

Assim é com a obra que seus criadores – aqui, o diretor, o ator, o técnico, etc. – expõem aos olhos de uma plateia em geral, a mais heterogênea possível. Dentro desse conceito de manifestação, ainda que a contragosto dos exigentes, englobam-se desde o mais descalibrado “western” ou a chanchada mais intragável até as realizações que por seu conteúdo, mensagem ou mera exposição da problemática social, conseguem atingir um nível em que a arte em si se faz presente em toda a sua plenitude e em que a tônica é, sem dúvida, o sentimento...

Leia Mais
0

TERRENCE MALICK: NO CAMINHO DA MISTIFICAÇÃO DESDE “TERRA DE NINGUÉM” ATÉ “A ARVORE DA VIDA” – PEÇA EM CINCO ATOS – V – JULIO CABRERA

TerrenceMalick

ATO V. Epílogo: a metafísica do fogo. A metafísica do mal de Malick poderia entender-se visualmente em termos de fogo, presente em todos os filmes analisados: em Badlands, na queima da casa de Holly com o cadáver do pai dentro; em Days of Heaven, na queima dos gafanhotos com a luta dos dois homens pela mesma mulher. Não se trata aqui do fogo do inferno, mas do próprio fogo das paixões humanas, como se as ações de Kit, Bill e Abby tocassem fogo nas coisas, um fogo decorrente dos excessos existenciais humanos. Este fogo vai ficando fraco em Além da Linha vermelha; curiosamente, num filme de guerra cheio de material combustível, há fogo apenas numa cena, e muito mais fumaça do que fogo...

Leia Mais
0

TERRENCE MALICK: NO CAMINHO DA MISTIFICAÇÃO DESDE “TERRA DE NINGUÉM” ATÉ “A ARVORE DA VIDA” – PEÇA EM CINCO ATOS – IV – JULIO CABRERA

CABRERAARVOREDAVIDA

ATO IV. The tree of life (A árvore da vida, 2011). O moralismo consumado. “A árvore da vida” consuma plenamente este processo de exteriorização do humano, de construção metafísica do mal, e, para piorar as coisas, introduzindo uma chocante mistificação da Vida num viés salvador e redentor. Aqui as perguntas metafísicas se tornam apelativas e excessivas, asfixiantes em seu misterioso sussurrar, como se fossem profundas revelações. Já na citação inicial de Jô se culpa ao humano por não ter estado onde devia: “Onde estavas tu quando eu fundava a terra…quando as estrelas produziam harmonias e os anjos gritavam de alegria?”...

Leia Mais
0

TERRENCE MALICK: NO CAMINHO DA MISTIFICAÇÃO DESDE “TERRA DE NINGUÉM” ATÉ “A ARVORE DA VIDA” – PEÇA EM CINCO ATOS – II – JULIO CABRERA

CABRERADIASPARAISO

ATO II. Days of heaven (Dias de paraíso, 1978). Entrando numa amoralidade cínica. Days of Heaven (Dias de paraíso) continua com a mesma temática – o mal e a inocência – mas agora de maneira mais atenuada, como se a destruição do outro demandasse uma explicação mais cuidadosa, menos animal; aqui o “mal” se torna, digamos, compreensível. Bill (Richard Gere) e Abby (Brooke Adams), os dois amantes pobres que viajam pelos campos buscando trabalho e pretendendo ser irmãos, enganam ao rico fazendeiro doente (Sam Shepard), simples e tímido, que se apaixona por Abby e casa com ela...

Leia Mais
0

TERRENCE MALICK: NO CAMINHO DA MISTIFICAÇÃO DESDE “TERRA DE NINGUÉM” ATÉ “A ARVORE DA VIDA” – PEÇA EM CINCO ATOS – I – JULIO CABRERA

CABRERABADLANDS

ATO I. Badlands (Terra de ninguém, 1973). A inocência do mal. A primeira obra de ficção de Terrence Malick, Badlands (Terra de ninguém na tradução brasileira) já mostra um fascínio pelo que, em termos filosóficos tradicionais, se pode chamar a “questão do mal”. Mas a saga de Kit (Martin Sheen) mostra uma espécie de inocência do mal espontâneo e puro, intensificado pelo relato despojado e evocativo de Holly (Sissy Spacek), a sua súbita namoradinha.

Apesar de matar pelo menos meia dúzia de pessoas (ele perde facilmente a conta), Kit não é realmente um delinqüente, um matador, um sádico, apenas um existente vazio e autêntico, profundamente apaixonado por Holly (nunca a agride, nem mesmo quando ela o deixa bravo)...

Leia Mais
0

Rosemiro Sefstrom

Rosemiro Sefstrom

Formado em Filosofia pela PUC-RS
Pós-graduado em Filosofia Clínica pelo Instituto Packter/Unesc.
Especialização em Filosofia Emmanuel Lévinas pela Universidade Hebraica de Jerusalém
Pós-graduado em História do Brasil pela Pós-graduação Bagozzi
Terapeuta desde 2007
Consultor empresarial – montagem da estrutura de pensamento organizacional.
Professor da Unesc da Pós-Graduação em Filosofia Clínica
Secretário do Instituto Sul Catarinense de Filosofia Clínica
Blog: http://rosemirosefstrom.blogspot.com.br
Iniciou sua colaboração relacionando Filosofia Clínica e Cinema para o Filosofia e Cinema  no ano de 2013.

Leia Mais
0

Julio Cabrera

Colaborador Julio

Júlio Cabrera é professor da UnB, em suas palavras:
«Não consigo trabalhar docilmente em áreas já constituídas. A filosofia da lógica foi para mim um âmbito de contestação da Lógica Formal em suas pretensões de legislar sobre o sentido e validez dos discursos filosóficos. A filosofia da linguagem, uma oportunidade de contestar a hegemonia analítica nessa área e estudar a variedade de filosofias da linguagem (analíticas, hermenêuticas, meta-críticas) sempre em conflito mútuo. Minhas reflexões de Cinema e Filosofia podem ver-se como estudos sobre linguagem de imagens e criação imagética de conceitos. A ética, um domínio onde consegui desenvolver antigas intuições acerca da impossibilidade da moral, a imoralidade da procriação e uma possível moralidade do suicídio...

Leia Mais
0

Derossy Araújo

Colaborador Derossy

Crítico de cinema nos jornais «Amapá», «Nôvo Amapá» e «A Voz Católica» nas décadas de 1960 e 1970, na cidade de Macapá/AP.  Nascido em Belém, Pará, mudou-se para a capital amapaense em 1959, quando assumiu suas funções no Banco do Brasil. Nesta cidade dedicou-se também ao magistério da língua portuguesa, à Rádio Educadora São José, que contou com sua colaboração através dos programas «Um homem, uma mulher», juntamente com sua esposa Maria Lúcia Andrade da Silva, que versava sobre as relações humanas e  o «Sétima Arte», sobre o Cinema. Participou também dos eventos culturais, sendo um dos fundadores do primeiro cineclube do Território Federal do Amapá.
Em 1988 participa, juntamente com mais cinco poetas, do Projeto Clareando.
Iniciou sua colaboração c...

Leia Mais
0

Bemvindo Sequeira

Bemvindo Sequeira

” Ator, autor, produtor e diretor de teatro, cinema e televisão. Nascido em Carangola, MG e Cidadão de Salvador – Bahia. Desde 2005,é contratado da Rede Record. Atuou em mais de 40 peças teatrais e na televisão, dentre suas interpretações de sucesso estão o Bafo de Bode na novela Tieta, e o Zebedeu na novela Mandacaru.
Fundador e dirigente de Entidades Profissionais na área dos trabalhadores e de autores, possui curiosamente o Registro Profissional número 01 do Livro 01 às folhas 01, na Delegacia Regional do Trabalho – DRT BA. Ao lado de Lélia Abramo, Vanda Lacerda e Otávio Augusto, participou da elaboração da Lei 6533 que regulamentou a profissão de Artista e Técnico no Brasil. Criador do moderno Teatro de Rua no Brasil em 1977 em Salvador...

Leia Mais